Pássaros silvestres são resgatados de cativeiro pela Guarda Ambiental de PG

Um homem foi autuado por infringir Lei de Crimes Ambientais

Data de publicação: 2/8/2022

Dez pássaros silvestres que eram mantidos em cativeiro foram resgatados pela Guarda Ambiental de Praia Grande, que integra a Guarda Civil Municipal (GCM) da Cidade, em uma residência no Bairro Glória na última segunda-feira (1). Um homem estava no imóvel e foi detido em flagrante por crime ambiental. Oito pássaros já foram devolvidos à natureza.

De acordo com o inspetor Fábio Marques, uma denúncia levou a equipe até o local, onde logo o plantel foi identificado exposto em gaiolas com arapucas acopladas, sendo 4 Coleirinhos, 3 Tico ticos, 1 Pixoxó, 1 Cigarrinha e 1 Canário da Terra.

Um homem estava no imóvel e foi detido por infração ao Artigo 29 da Lei de Crimes Ambientais (LCA), que determina que matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida. A pena é de detenção de seis meses a um ano e multa. “Neste caso, a multa deve passar de R$ 10 mil por haver espécies ameaçadas de extinção”.

O inspetor explicou que os pássaros foram submetidos à avaliação de veterinários da AIUKÁ e 8 deles apresentaram condições de soltura. Outros dois apresentavam sinais de domesticação (1 Coleirinho e 1 Pixoxó), permanecendo com o autor na condição de fiel depositário por indisponibilidade de recinto junto ao CEPTAS, em Cubatão.

Os pássaros que estavam aptos foram soltos na natureza na manhã desta terça-feira (02). Os materiais e gaiolas foram inutilizados pela equipe da Guarda Ambiental.

Atuações – A Guarda Ambiental de Praia Grande atua há 13 anos na Cidade com um importante trabalho na preservação do Meio Ambiente. Além das ações voltadas ao resgate de animais silvestres, o grupamento também tem desenvolvido um trabalho marcante em áreas de preservação da Cidade, inclusive fazendo parte da Comissão Especial de Proteção das Áreas de Preservação, que tem como principal objetivo identificar todas as ocupações desordenadas em áreas de preservação e risco, estabelecendo as medidas necessárias para a proteção desses espaços.

Já a Aiuká é uma empresa brasileira com experiência nacional e internacional no planejamento, no resgate e na reabilitação de fauna afetada por vazamentos de petróleo para que retorne ao seu ambiente natural em segurança. Fundada em 2010 na Cidade, a empresa mantém parceria com a GCM desde 2015 com o objetivo de reabilitar os animais marinhos resgatados pelo grupamento ambiental.