Escolas de Complementação Educacional compartilham boas práticas

I Mostra de Práticas Pedagógicas ocorreu na quinta- (24), no Auditório Roberto Marinho

Data de publicação: 25/11/2022

Valorizar o trabalho desenvolvido com os alunos no contraturno escolar. Com este objetivo, a Secretaria de Educação (Seduc) realizou a I Mostra de Práticas Pedagógicas da Complementação Escolar. O evento ocorreu nesta quinta-feira (24), no Auditório Jornalista Roberto Marinho, situado no Bairro Mirim, e reuniu iniciativas promovidas pelos professores e que se destacaram em cada uma das dez unidades.

O momento foi organizado pela Coordenadoria de Esporte e Complementação Educacional, responsável pelo acompanhamento da rotina das dez unidades. Cada escola selecionou um projeto desenvolvido ao longo do ano para compartilhar com os presentes. Ao longo do evento, uma a uma foi convidada a apresentar as práticas pedagógicas desenvolvidas e os resultados alcançados.

Um dos projetos compartilhados foi o coral formado por alunos da EM Carlos Eduardo Conte de Castro, situada no Bairro Tupiry. Para demonstrar a importância do trabalho realizado, comandado pelas professoras Enaura Boaventura de Oliveira e Regina Célia Caiffa La Farina, os estudantes fizeram uma apresentação aos presentes. Por meio da música, as educadoras despertaram o protagonismo das crianças, além de desenvolver ações relativas aos valores e comportamentos.

As aulas da Complementação Educacional são baseadas em quatro pilares, sendo um deles o da Educação Financeira. Com base nesta temática, a EM Sonia Marise Domingues, localizada no Bairro Vila Sônia, desenvolveu o projeto “T$empo”. Por meio da iniciativa, a unidade de ensino buscou ensinar os alunos sobre como administrar o dinheiro. A escola selecionou essa ação para compartilhar com os participantes da I Mostra de Práticas Pedagógicas da Complementação Escolar.

Os professores Carla Pereira de Mello Barbosa, Roberto Carlos da Costa Bellini, Rosemeire Ghignatti e Valquiria Duarte da Silva ficaram responsáveis por apresentar a iniciativa. O projeto consiste na criação de uma moeda própria, nomeada, T$empo. Os educadores confeccionaram cédulas e, mensalmente, os alunos recebem o seu “salário” com direito a holerite. O pagamento acontece de acordo com comportamento e participação das atividades propostas dentro e fora da escola.

A secretária de Educação, a professora Cida Cubilia, fez questão de acompanhar todas as apresentações compartilhadas. Segundo ela, as ações desenvolvidas nas unidades de Complementação Educacional reforçam o trabalho das escolas de ensino regular. “O que vimos aqui é a demonstração efetiva dessa ação. Foram apresentados projetos que mostram a capacidade dos professores que nelas atuam e que oferecem suporte no aprendizado das crianças”, destacou.